Vereadores debatem reforma de estádios de Teresina durante audiência pública

0
29

A Câmara Municipal de Teresina realizou nesta terça-feira (14/11) uma audiência pública para discutir a reforma dos estádios de futebol localizados nas zonas urbana e rural de Teresina. A audiência foi proposta pelo vereador R. Silva (Progressistas), e reuniu além de representantes de entidades ligadas ao assunto, o secretário de Esporte e Lazer do município, Renato Berger e o presidente da Fundação de Esportes do Piauí, Paulo Martins.

“A nossa avaliação [da audiência] é positiva, pois compareceu tanto a SEMEL, como também a FUNDESPI, todos os representantes… e eles puderam fazer uma prestação de contas daquilo que vem sendo feito e fazer uma projeção do que ainda precisa fazer. Então a Câmara vai continuar, através desta comissão, cobrando mais investimento, para o esporte amador principalmente, mas também para o futebol profissional, porque Teresina precisa investir mais em esporte”, explicou o vereador R. Silva.

O secretário de Esporte e Lazer do município, Renato Berger, reconheceu a importância da audiência e explicou que a maior dificuldade para fazer melhorias nos estádios, diz respeito a parte financeira.

“Para mim tem muita importância uma audiência como essa, onde você trata alguma coisa que é em benefício de uma população que precisa de ajuda, principalmente a garotada, a juventude. O esporte é a arma mais poderosa que a gente tem no enfrentamento ao crescimento da marginalidade de usuários de drogas”, disse o secretário.

“A questão dos campos… nós temos mais de 370 unidades esportivas na cidade de Teresina e nós temos poucos recursos. Infelizmente esse foi um ano muito difícil. E temos que fazer as opções, então fizemos a opção do investimento do garoto, do cidadão, da pessoa idosa, e nós temos feito em parceria com as federações, algumas atividades, e conseguimos recuperar algumas dessas unidades [esportivas]”, completou.

Para dar mais celeridade a esse processo de melhorias, Renato admitiu que a SEMEL pode buscar a solução através de Parcerias Público Privadas. “A questão é dinheiro, por isso que estamos buscando, através de projetos da secretaria que trata das PPPs, para que a gente possa ter parceiros. Estamos buscando uma forma legal de fazer atividades como essa para ver se a gente tem uma conservação melhor do que a que a gente vem tendo”.

Comentários no Facebook